12.1.12

Cartas de amor,


Já te escrevi tantas cartas de amor, nunca as suficientes para te demonstrar o que sinto por ti, não tantas cartas que chegassem para sentires o quanto todo o meu corpo corresponde só de olhares para mim. Não há nada que eu prefira fazer a estar junto a ti, trouxeste toda uma calma imensa a minha vida, uma paz que eu só sinto quando posso estar contigo. A vida que eu tinha deixou de fazer sentido, não consigo se quer pensar em vivê-la, tudo o que eu queria, tudo pelo que lutava deixou de fazer sentido. Sempre achei que temos de estar preparados porque a qualquer momento pode entrar alguém na nossa vida, e temos que a saber receber, alterar a mudança, adaptarmo-nos, mas quando te conheci, não estava perto de te saber receber, mas aceitei-te, aceitei-te na esperança de saberes fazer os meus dias melhores. Mas, talvez não saibas, tens um brilho especial de ver as coisas, de as conquistares, e eu apaixonei-me por ti. Não posso, ou melhor, não consigo dizer-te tudo o que sinto quando sorris para mim, por saber que sorris por mim, não há nada mais feliz para mim do que ver que és feliz ao meu lado, e que queres fazer-me feliz. Eu sei que não somos perfeitos, ninguém o é, e é essa diferença que existe entre nós que nos mantém sempre lado a lado, eu sinto que me completas, eu sou a calma, tenho sempre tempo para tudo, tu queres despachar o que tem de ser feito, o mais rápido possível, eu falo, sobre tudo e sobre nada, tu sabes quando impor o silêncio, eu grito quando quero fazer-te perceber alguma coisa, tu falas baixinho e manténs a calma, eu gosto de falar sobre as coisas quando elas acontecem, tu gostas de reflectir sobre tudo o que se passou, mas o que era de nós se não nos completássemos assim? Eu sou a optimista, tenho uma visão do mundo demasiado cor-de-rosa, demasiado colorida, tu manténs sempre presente o trabalho que a vida dá, o quanto custam todos os dias as conquistas que fazes. Mas o que era de nós sem sermos assim? Eu preciso que me faças ver a realidade, tu precisas dos nossos sonhos e objectivos. Eu gosto de longas chamadas ao telemóvel, mensagens, onde te sussurro e te escrevo as palavras mais bonitas que te sinto, tu preferes abraçar o nosso amor com o que és, mas não saberíamos viver nem sem uma coisa, nem sem outra. Tudo o que somos faz-nos completos, não caberia em mim, não saberia como, nem quero, viver sem te ter a meu lado, mesmo quando embirramos, quando discutimos, e nas muitas vezes em que não estamos de acordo, ainda assim, eu adoro todos os momentos que tenho o prazer de passar ao teu lado. Porque faz bem, crescer da forma que nós soubemos crescer juntos, aprender a vida em cada lição, e não achar que é o fim do mundo. É difícil? Claro que é, mas nunca ninguém disse que ia ser fácil, nunca ninguém disse que iria ser sempre bonito aturar o que eu sou, conhecer o que és, não vai ser sempre bonito, mas vai saber bem, porque no final do dia, todos os dias são uma vitória. Não sou a pessoa mais fácil de entender, não sou sempre coerente, não tenho sempre razão, embora ache sempre que sim, mas quando aprendi a gostar de ti, soube que não queria mais ninguém. Mesmo quando grito contigo, quando te digo que és mau e que não me ligas nenhuma, tenho sempre consciência de que não é assim, não és nenhum monstro, muito pelo contrário, fazes-me feliz e atinges-me como nunca ninguém foi capaz de o fazer, tiras-me do sério, e é por isso que às vezes te grito tanto, por saber que não te consigo resistir, tens um poder sobre mim que, às vezes, acho que ainda não te deste conta, tu viras o meu mundo de pernas para o ar.  Cada olhar é amor, um sorriso, quando te agarro a mão e entrelaço os meus dedos nos teus, o que eu sinto é amor, uma enorme vontade de fazer cada minuto ao teu lado durar para sempre. É incrível como a vida dá voltas, hoje, mais uma vez, sou a pedir que nunca vás, porque tenho medo de te perder, tenho medo de um dia acordar e não te ter a meu lado, não poder sorrir-te e dizer-te bom dia, fazer o pequeno-almoço e levar-to à cama, não quero ver que no futuro não estamos lado a lado, não quero acordar durante a noite e não te poder ver dormir deitado sobre o meu peito, não quero imaginar-te sem nós, sem mim a teu lado. Eu sei, às vezes também te tiro do sério, também te cansas de me tentar mostrar que eu te magoo, também queres que eu veja que não tenho sempre razão, e eu sei disso, mas também sei que tu tens medo de me perder. Mas olha amor, eu não vou a lado nenhum, nem hoje, nem nunca, nunca seria capaz de te virar as costas, por muito que as coisas às vezes fiquem difíceis, como se pode virar as costas ao homem da nossa vida? Como se diz que não se quer lutar pelo verdadeiro amor? E eu quero, eu quero tanto ser tua em todos os minutos da tua existência, quero que me vejas triunfar na vida, da mesma forma que eu te vou ver a ti, lado a lado. Porque, ao teu lado, eu sinto que somos um e que nada mais importa, nada mais faz sentido. Há muito tempo atrás, num dia em que te quis lembrar porque não deverias desistir de mim, por mais que eu às vezes merecesse, escrevi-te 100 razões para nunca me deixares ir embora, hoje, escreveria mais 100, quero lembrar-te todos os dias que te quero, que o nosso amor tem razões para nos levar sempre para o melhor de nós. Um dia, escrevi-te doze cartas, uma por cada mês que já tínhamos passado juntos, onde te falei sobre o quanto mudaste a minha vida, e o quanto te queria manter a meu lado. Essa foi a nossa primeira vitória, depois de muitas outras diárias, dia vinte e um de Abril de dois mil e dez, foi outra vitória, e eu quero continuar a conquistar sorrisos durante muitos anos. Quero que saibas sempre, que serás o melhor de mim, que serás sempre a melhor parte, a mais feliz. E hoje pergunto-te, ainda queres (e sempre) ficar comigo?

15 comentários: