18.12.11

my sweet December

Estamos a meio de Dezembro, aliás, já passa, e tu melhor que ninguém sabes o quanto eu adoro este mês. Tirando os trabalhos, os testes e o fim do semestre, é um dos meus meses preferidos do ano. Embora eu não aprecie o Natal da mesma forma que o fazia, adoro o efeito que esta época festiva tem nas crianças, e o sorriso que se lhes forma ao contarem os dias que faltam. Mas eu, adoro Dezembro por ser o fim de um ano, o fim de mais um ano do qual posso guardar as minhas memórias, é como se fosse um resumo, passamos os últimos dias do ano a fazer um resumo do que este representou para nós, não conseguimos evitar, queremos guardar o melhor e garantir que não nos esquecemos de nenhum detalhe, eu só quero estar contigo e saber que tudo o que queres sou eu. Este mês deixa-me assim, com uma vontade enorme de correr para os teus braços, de adormecer nos teus lençóis, este mês deixa-me sempre com uma imensa nostalgia, quero fazer com que não te esqueças de nenhum dos nossos dias, com que queiras repetir todos os beijos e abraços. É isto Dezembro, deixa-me com vontade de abraçar o nosso mundo. Tu sabes que eu gosto de fazer planos, nem que seja apenas eu a imaginá-los e por mais que nos últimos anos não me tenha corrido tudo bem, tu tens estado sempre a meu lado, e sabes o que é que eu mais quero? Para o ano estar a escrever umas tantas palavras como estas e, nas quais posso dizer o quão bem que me fazes, ou escrever simplesmente o quanto tu mudaste o meu mundo desde que nos conhecemos. Eu ainda não tinha dezoito anos quando te conheci, mas sempre achei que era uma menina crescida demais para a idade que tinha, hoje acabei por perceber que ainda tive que crescer muito contigo, agora, tenho vinte anos, mas sinto que só vejo a vida de forma diferente à cerca de dois, eu achava-me quase imortal, achava que ninguém se iria embora da minha vida e que não era preciso lutar muito para isso, e tu chegaste para me mostrar que é saudável ter medo, devemos ter medo de perder alguém. Sabes, eu vivia muito sem ter medo das consequências, sem ter medo de acordar e as pessoas com as quais eu contava já não lá estarem, e quando me apaixonei por ti, aprendi às vezes o melhor é tirar um tempo para pensar e que não devemos dar nada por garantido. Não te mostro, pelo menos não tantas vezes quanto devia, mas eu também já aprendi muito contigo, e por isso, hoje eu sou uma pessoa completamente diferente, dou valor às mais pequenas coisas, e é por isso que te recebo com o maior sorriso do mundo quando paras à porta da minha casa só para me poderes abraçar, quando te agarras a mim e dizes baixinho o quanto gostas que eu faça parte da tua vida. O meu mundo é bem mais feliz desde que apareceste na minha vida, por isso, o que eu mais quero é que todos os Dezembros me prometas que ficas comigo, de um modo intemporal. Eu amo-te.

10 comentários:

  1. tal como eu adoro vir aqui, querida Inês *

    ResponderEliminar
  2. Que saudades que eu tinha de te ler, Inês! :)

    ResponderEliminar
  3. Por problemas com este blog, decidi criar um novo. Espero que passem por lá, deem as vossas opiniões, e se gostarem sigam. O link é:
    http://nothingisforevercv.blogspot.com/
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Um Natal quente e doce em companhia. :)

    ResponderEliminar
  5. Ai, os teus textos fazem-me suspirar e sair daqui sempre a sorrir :)

    ResponderEliminar