8.9.10

Letters.

#2 LETTER TO YOUR CRUSH
#28 LETTER TO SOMEONE THAT CHANGED YOUR LIFE



Há vários dias que te escrevo, e te apago minutos depois. Dias a mais do que aqueles que eu te gostava de dizer, e tinta dispersa em papeis amarrotados suficiente para escrever um livro. Dias que acordo a meio da noite com vontade de te escrever, de deixar entre as linhas os beijos, os sorrisos e frases de amor. Dias em que escrevo, e esqueço porque nada é suficientemente bom quando se fala de ti. Dias em que te quero conhecer mais, descascar todas essas camadas que cobrem essa barreira que não nos deixa passar sempre que queremos. Que não nos deixa sonhar sempre que voamos. E escrevo-te, escrevo-te durante vários minutos, até que tudo se vai porque eu não sei como falar de ti. Como expressar em tão poucas letras o que sinto quando te tenho ao meu lado. E esqueço-me, de nada são válidas as palavras se não sabemos como as dizer, como as querer, como as sentir, e embora não te diga, e não te escreva, eu sinto todos os dias que nada faz sentido no mundo se tu não cá estás para me mostrar a simplicidade da vida. Por isso, vou esquecer-me de escrever sobre ti todas as noites em que me deitar no escuro, esquecer as palavras dispersas pelos lençóis, deixar que não se fale, que não se diga, mas que se sinta, e sentir, eu sinto-te todos os dias. Aprendi que não preciso de te escrever, de deixar no papel todo o amor que sinto por ti, de registar todos os momentos em que mudaste tudo o que sou, guardar todas as palavras em que me fizeste sorrir melhor, porque o melhor de tudo, não se guarda no papel, mas fica no coração. Vou lembrar-me que não preciso de tentar desmontar essas barreiras porque parte delas protegem-nos aos dois, e vou saber todos os dias, que embora por vezes eu me esqueça, não há ninguém que te conheça tão bem quanto eu. E pedir-te? só que sejas sempre tu em todos os momentos da nossa vida, porque sendo o teu melhor, ou o teu pior, preenches tudo o que eu sou. As cartas? deixo-as para os pombos, eles que as entreguem, o amor, entrega-se a nós.

16 comentários:

  1. muito obrigado pelo teu comentário.

    tambem gostava de escrever qualquer coisa sobre o teu além de está bonito, mas não consigo falar sobre o amor, estou rasgada por ele. =')

    ResponderEliminar
  2. Batoteira, andar a juntá-las :p
    Sabes que tudo que escreves faz o maior sentido, tem todo o sentimento por detrás e... é isso que toca na escrita. (L)

    ResponderEliminar
  3. Nem tenho palavras para descrever a beleza do que escreveste aqui. :') Adorei tudo, da primeira palavra à ultima.
    E apesar de mais importante que escrever, ser sentir, não deixes de fazê-lo, porque escreves com sentimento.. e isso é maravilhoso.

    Que aproveitem bem esse amor que vos foi entregue*

    ResponderEliminar
  4. adoro, aliás, adoro sempre tudo o que escreves.
    cada palavra tem sentimento e é isso que me fascina em ti :')

    um grande beijinho, Inês (L)

    ResponderEliminar
  5. obrigada minha querida, obrigada mesmo! :$

    ResponderEliminar
  6. gostei, especialmente, da última frase.
    um beijinho, Inês :)

    ResponderEliminar
  7. Muito obrigada Inês (:
    O teu texto também está muito bonito *.*

    ResponderEliminar
  8. mas é uma saudade saudável.
    e esta última frase ? está mesmo bonita, Inês.

    ResponderEliminar
  9. o amor sente-se quando escreves. está lindo Inês
    sou uma grande fã tua

    ResponderEliminar