29.11.14

(1)

É incrivel como todo este espaço soa a ti, a nós - melhor, a ti e a mim, só que juntos. Sabes, é verdade, eu nunca imaginei que pudesse existir um depois de ti, nunca pensei sequer nessa possibilidade porque me assustava não saber quem era sem ti, eu já não sabia como era sem ti. É incrivel o quanto as pessoas têm a capacidade de se sentir assustadas com o desconhecido, muitas delas permanecem como estão apenas porque é mais fácil que enfrentar o mundo, mas tu sempre soubeste que eu não era assim. Sempre soubeste que tinha os meus sonhos, e que fazias parte deles, incondicionalmente, eras todos eles, mas eles eram meus, e às vezes, sem querer, eles mudam. É estranho falar para ti no passado, nunca o fiz. E até parece foi assim à tanto tempo, mas não. É estranho não te incluir, mas as pessoas adaptam-se, mal ou bem, mas adaptam-se. Ensinámo-nos muito. É o melhor que levamos desse nós, conseguimos aprender tanto juntos. Soubemos viver no limite, umas vezes em baixo, outras vezes tão alto que a queda acabou por ser gigante. 

E ainda assim, aqui estou eu, a escrever sobre ti. Isto soa-me tanto a ti, a mim contigo. Sabes uma coisa? eu não menti, o tempo foi sempre intemporal.

5 comentários:

  1. O desconhecido assusta-nos sempre, mas manter algo que sabemos já não resultar ainda devia ser mais assustador. Não é fácil seguir em frente, ainda para mais quando passamos muito tempo ao lado de alguém, mas eventualmente acabaremos por consegui-lo. Devemos guardar o melhor e avançar

    ResponderEliminar
  2. Foste nomeada para uma tag, espero que gostes :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  3. O desconhecido assusta-nos mas manter algo que já sabemos de ginjeira que não irá resultar ainda deve ser mais assustador.
    gostei do que li.
    segui

    ResponderEliminar